Brasil no PISA 2012: ainda há muito a ser feito, mas melhora é visível

Ter, 03 de Dezembro de 2013 15:14 Rodrigo Travitzki Políticas públicas de educação
Imprimir

Acabaram de sair os resultados do PISA 2012, o mais conhecido exame internacional de educação, que avalia as habilidades em Matemática, Leitura e Ciências. Embora ainda esteja com resultados bem abaixo dos países desenvolvidos, o Brasil está entre os que mais melhorou a educação desde 2003.

Como de praxe, a grande mídia se limita a dizer que o Brasil continua entre os últimos lugares do ranking (digo isso com base em dois telejornais que acabei de assistir, então posso estar generalizando demais – os próximos dias dirão). Insistimos em olhar, por preguiça ou por afeição às competições esportivas, as informações mais superficiais – como a posição no ranking – ao invés de perder (ou ganhar) alguns minutos procurando compreender as coisas e aproveitar melhor as informações disponibilizadas pelos testes.

Para ajudar o leitor mais curioso e cuidadoso, listo abaixo as principais conclusões do PISA em relação ao Brasil. Destacamos que, segundo o exame, embora ainda haja muito o que fazer, o país tem melhorado bastante em termos de educação em quase todos os parâmetros, com exceção da alta taxa de repetência.

NOTA: algumas questões técnicas relacionadas ao PISA no Brasil estão sendo discutidas por especialistas no blog do Simon Schwartzman. Ele próprio começou questionando a diferença entre matemática e as outras notas (http://www.schwartzman.org.br/sitesimon/?p=4723&lang=pt-br). Depois, João Batista de Araújo levanta a hipótese de haver um "erro" amostral (http://www.schwartzman.org.br/sitesimon/?p=4739&lang=pt-br). Em seguida, Francisco Soares mostra alguns dados refutando essa hipótese, mas levanta outra questão problematizando a rápida melhora do Brasil em matemática (href="http://www.schwartzman.org.br/sitesimon/?p=4765&lang=pt-br)

 


 

Principais conclusões do PISA 2012 em relação ao Brasil

(tradução livre do texto da OCDE)

• Embora o Brasil ainda esteja abaixo da média dos países desenvolvidos, foi o país que mais melhorou a média em matemática desde 2003. Em leitura e ciências também houve melhora significativa;

• Melhorias foram particularmente intensas entre os que apresentaram baixo desempenho;

• O Brasil também expandiu a adesão às escolas de Ensino Fundamental e Médio desde 2003, indo de 65% a 78% nos alunos de 15 anos;

• O clima de aprendizagem também melhorou, assim como a capacidade das escolas de atrair bons professores;

• Altas taxas de repetência ainda são encontradas em todo Brasil, especialmente entre alunos mais pobres, e estão negativamente associadas ao desempenho em matemática (ou seja, quanto maior a repetência de uma rede de ensino, piores são as notas em matemática dos seus alunos).


Maiores detalhes no documento (em inglês), elaborado em coautoria pela OCDE e pelo INEP:
http://www.oecd.org/pisa/keyfindings/PISA-2012-results-brazil.pdf

Última atualização em Sex, 13 de Dezembro de 2013 10:06