Os créditos de carbono vão ajudar?

Ter, 10 de Junho de 2008 21:06 Rodrigo Travitzki
Imprimir

A questão dos créditos de carbono é mais complicada do que parece. Por um lado, na aparência mais aparente, trata-se de uma solução econômica para um problema ecológico. Até aqui, maravilha, pois os créditos seriam um reflexo do "amadurecimento da democracia mundial" ou algo do tipo. Pode ser que seja realmente isso. Mas quais são as outras possibilidades?

Bem, há sempre a possibilidade de um mega engodo, uma farsa global, quase uma teoria da conspiração. Segundo o prof. Luiz Carlos Baldicero Molion, não devemos confiar cegamente na ONU - a questão do CFC e da camada de ozônio, por exemplo, teriam sido uma farsa:

"A verdade é que não há evidências científicas de que a camada de ozônio na estratosfera esteja sendo destruída pelos compostos de clorofluorcarbono (CFCs), que são gases utilizados em refrigeração (geladeira, ar condicionado), como Freon 11 e Freon 12 da Du Pont. O que ocorreu foi que, como os CFCs se tornaram de domínio público e já não podiam ser cobrados direitos de propriedade ("royalties") sobre sua fabricação, as indústrias, que controlam a produção dos substitutos (ICI,Du Pont, Atochem, Hoechst, Allied Chemicals), convenceram "certos" governos de países de primeiro mundo (começou com Sra. Margareth Tatcher, Ministra da Inglaterra) a darem apoio para a "a farsa da destruição da camada de ozônio e do aumento do buraco de ozônio na Antártica" pois, agora, os seus substitutos recebem "royalties"

E os créditos de carbono? Que "finalidade maquiavélica" poderiam ter? Há a hipótese de que seja uma forma de estimular os "países em desenvolvimento" a se estabelecerem como nações agrícolas pouco desenvolvidas, mantendo a supremacia dos "países desenvolvidos".  Em outro artigo, comentamos um filme que descreve esta hipótese (a grande farsa do aquecimento global) e se opõe ao filme de Al Gore (uma verdade inconveniente).

Segundo jornal Brasil de Fato, muitas mobilizações populares se opôem "às soluções apresentadas pelas indústrias: promover, entre outros, os agrocombustíveis, os "desertos verdes" das monoculturas florestais, as grandes represas, a energia nuclear e outros arranjos tecnológicos que, longe de serem soluções, agregam novos problemas ambientais e sociais."

E para arrematar, vem esta notícia no site da BBC:

"Uma investigação do Serviço Mundial da BBC realizada na Índia encontrou provas de graves falhas no sistema do mercado global de venda de créditos de carbono, que movimenta bilhões de dólares.

Os créditos são gerados por um programa criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) chamado Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL).

O mecanismo dá a companhias em países em desenvolvimento incentivos financeiros para o corte das emissões de gases de efeito estufa.

Mas, segundo a investigação da BBC, créditos de carbono estão sendo pagos para projetos que teriam sido colocados em prática de qualquer forma, sem precisar de ajuda financeira.

O Serviço Mundial da BBC encontrou como exemplos três projetos na Índia".

Pois é, a questão só aumenta: qual é o verdadeiro efeito do efeito estufa?

Última atualização em Qua, 02 de Setembro de 2009 00:14