A educação é uma ciência? trechos de Anísio Teixeira

Imprimir

Em minhas recentes pesquisas deparei com estes belos trechos que resolvi compartilhar com vocês. Estão no livro "Educação e o mundo moderno", de Anísio Teixeira (ao lado).

Em que medida a educação pode ser considerada uma ciência? O que é exatamente ciência? Hoje em dia tentamos modernizar tudo, aceitamos qualquer gráfico que pareça científico como se fosse verdade e não fazemos isso à toa. Afinal, a ciência fez o homem dominar o átomo e ir pra Lua, não há porque duvidar dos cientistas.

Por outro lado, ciência é só uma palavra que nos dá a impressão de que milhares de pessoas em diversos momentos da história estavam (e estão) fazendo, no fundo, a mesma coisa. Mas, principalmente em tempos de predomínio do discurso científico, todos que puderem utilizarão este rótulo, alguns com cartas na manga, outros blefando. A questão não é simples, mas nada como uma boa leitura para arejar um pouco as ideias...

Coloquei uns subtítulos só pra facilitar a visualização. Façam bom proveito.


TRECHOS DE ANÍSIO TEIXEIRA

Arte e ciência da educação

"A arte de educar – a educação – nos últimos cem anos, passou por um desenvolvimento que se caracteriza por uma revisão de conceitos e de técnicas de estudo, à maneira, dir-se-ia, da transformação operada na arte de curar – a medicina – quando se emancipou da tradição, do acidente, da simples 'intuição' e do empirismo e se fez, como ainda se vem fazendo, cada vez mais científica. [...]
Como a medicina, a educação é uma arte. E arte é algo de muito mais complexo e de muito mais completo que uma ciência. Convém, portanto, deixar quanto possível claro de que modo as artes se podem fazer científicas.
Arte consiste em modos de fazer. Modos de fazer implicam no conhecimento da matéria com que se está lidando, em métodos de operar com ela e em um estilo pessoal de exercer a atividade artística."

A cientificação das atividades humanas

"A passagem, no campo dos conhecimentos humanos, do empirismo para a ciência foi e é uma mudança de métodos de estudo, graças à qual passamos a observar e descobrir de modo que outros possam repetir o que observamos e descobrimos e, pois, confirmar os nossos achados, que assim se irão acumulando e levando a novas buscas e novas descobertas.
[...]
as práticas fundadas no que a ciência observou, descobriu e acumulou, e, por seu turno, obedecendo aos mesmos métodos científicos, se transformaram em práticas tecnológicas e deste modo renovadas, elas próprias se constituíram em fontes de novos problemas, novas buscas e novos progressos."

Ciência, educação e formalismo

"Não se trata, pois, de criar propriamente uma 'ciência da educação', que , no sentido restrito do termo, como ciência autônoma, não existe nem poderá existir; mas de dar condições científicas à atividade educacional, nos seus três aspectos fundamentais – de seleção de material para o currículo, de métodos de ensino e disciplina, e de organização e administração das escolas. Por outras palavras: trata-se de levar a educação para o campo das grandes artes já científicas – como a engenharia e a medicina [...] Está claro que essa inteligência da arte de educar a afasta radicalmente das artes predominantemente formais, como a do direito, por exemplo, com a qual, aliás, temos, como país, uma irresistível inclinação a identificar a educação. [...] ainda consideramos educar antes como uma arte dominantemente formal, à maneira do direito, do que como uma arte material, à maneira da medicina ou da engenharia. Fora essa tendência distorsiva, mais entranhada quiçá do que o imaginamos e que importa evitar, a introdução de métodos científicos no estudo da educação não irá determinar nada de imediatamente revolucionário. As artes sempre progrediram. Mas, antes do método científico, progrediram por tradição, por acidente, pela pressão de certas influências e pelo poder 'criador' dos artistas."

O progresso científico é lento

"Não se diga, entretanto, que tenha sido sempre este o entendimento do que se vem chamando de ciência da educação, à qual já aludimos com as devidas reservas. Pelo contrário, o que assistimos nas primeiras décadas deste século e que só ultimamente se vem procurando corrigir foi a aplicação precipitada ao processo educativo de experiências científicas que poderiam ter sido psicológicas, ou sociológicas, mas não eram educacionais, nem haviam sido devidamente transformadas ou elaboradas para a aplicação educacional.[...] Houve, assim, precipitação em aplicar diretamente na escola 'conhecimentos' isolados de psicologia ou sociologia e, além disto, precipitação em considerar esses 'conhecimentos' verdadeiros conhecimentos. [...] Aí estão as ciências matemáticas e físicas com todo o seu lento evoluir até que pudessem florecer nas grandes searas das tecnologias [...] logo após vem o ainda mais lento progresso das ciências biológicas e a agronomia, a veterinária e a medicina como campos de aplicação tecnológica.
Para que as 'práticas' educativas possam também beneficiar-se de progresso semelhante, será preciso antes de tudo que as ciências que lhe irão servir de fontes se desenvolvam e ganhem a maturidade das grandes ciências já organizadas. Até aí, há que aceitar não só que o progresso seja lento mas também algo incerto e, sobretudo, não suscetível de generalização. Antes, porém, progredir assim, tateando, sentindo os problemas em toda a sua complexidade, mantendo em suspenso os julgamentos, do que julgar que podemos simplificar a situação"

"Convém insistir, realmente na distinção entre o campo da ciência e do conhecimento em si e o campo da aplicação do conhecimento e da prática ou da arte. [...] não produz a ciência, não produz o conhecimento científico, por si mesmos, uma regra de arte, ou seja, uma regra de prática.
[...]
Não quer isto dizer que ciência seja inútil, mas que a sua aplicação exige cuidados e atenções todo especiais, valendo o conhecimento científico como um ingrediente a ser levando em conta, sem perder de vista, todos os demais fatores. Em educação, muita coisa se fez em oposição a esse princípio tão óbvio, com a aplicação precipitada de conhecimentos científicos – ou supostamente científicos"

Educação e medicina

"Na própria medicina, com efeito, atrevo-me a afirmar, os princípios e leis da ciência servem antes para guiar e iluminar a observação, o diagnóstico e a terapêutica, não se impondo rigidamente como regras à arte médica, regras de clínica, regras imperativas da arte de curar. A ciência oferece, assim, a possibilidade de um primeiro desenvolvimento tecnológico, que fornece à arte melhores recursos para a investigação dos seus próprios problemas e, deste modo, sua melhor solução.
Num segundo desenvolvimento também tecnológico, oferece recursos novos para o tratamento e a cura, mas a arte clínica continua sendo uma arte de certo modo autônoma, a ser aprendida à parte, envolvendo métodos próprios de investigação e análise [...] em que, além de um conteúdo próprio mais amplo do que os puros fatos científicos, sobressaem sempre o estilo pessoal do médico, a sua originalidade e o seu poder criador. A ciência, aliás, longe de mecanizar o artista ou o profissional, arma a sua imaginação com os instrumentos e recursos necessários para seus maiores voos e audácias. Ora, o mesmo é o que há de ocorrer no domínio da educação – da arte de educar."

 


Fonte:

TEIXEIRA, Anísio. Educação e o mundo moderno. São Paulo: Ed. Nacional, 1977.

Última atualização em Qui, 29 de Setembro de 2016 16:49  


Estudar filosofia é importante para ser um cidadão?
 

Selecione uma palavra-chave

Artigos mais lidos desta categoria

A origem do estado liberal - Hobbes, Rousseau e Locke

Princípios filosóficos
LockeDeus, escreve Locke, é um artífice, um obreiro, arquiteto e engenheiro que fez uma obra: o mundo. Este, como obra do trabalhador divino, a ele pertence. É seu domínio e sua propriedade. Deus c...(68885)

O mito de que a palavra "aluno" significa "sem luz"

Princípios filosóficos
Uma mentira dita muitas vezes torna-se uma verdade. O boato de que aluno significa "sem luz" é antigo, mas parece ter se fortalecido ainda mais com a internet. Fora alguns portais mais cuidado...(56980)

Autonomia escolar na rede pública: alguns princípios

Princípios filosóficos
José Mário Pires Azanha“A questão da autonomia escolar e de seu desdobramento num projeto pedagógico é, como problema, típico da escola pública que (...) está sempre sujeita a interferências de órgãos externos. (......(23895)

A origem do homem político (mito de Platão)

Princípios filosóficos
Me deparei com o texto abaixo numa aula da USP sobre Platão, Sócrates e as bases do conhecimento. Fiquei maravilhado com as ideias, a escrita e a simplicidade – típicas dos gregos antigos. É...(14317)

Cultura escolar e a fábrica de engrenagens

Princípios filosóficos
A escola deve reproduzir a cultura ou produzi-la? Mais uma típica não-questão: afinal, produzir tem sempre um pouco de reprodução e vice-versa. Ninguém é completamente criativo ou absol...(12279)