Batalhão de choque usa violência em manifestação de professores no Rio de Janeiro

Ter, 08 de Setembro de 2009 19:37 Rodrigo Travitzki Denúncias
Imprimir

"O Batalhão de Choque utilizou três bombas de efeito moral para dispersar manifestação de cerca de mil professores e profissionais de educação em frente à Alerj, na tarde desta terça-feira. Um professor teria sido detido e oito pessoas ficaram feridas com balas de borracha e estilhaços de bomba de gás lacrimogêneo. Seis vítimas estão sendo levadas para o Hospital Souza Aguiar e duas permanecem em observação na Alerj. Deputados e secretários estaduais ainda estão reunidos negociando uma forma de aprovar o projeto de lei que incorpora a gratificação do Nova Escola ao salário dos professores . O clima ainda é tenso no local."


O vídeo abaixo mostra algumas cenas do que aconteceu hoje.


"O protesto que incorpora o Nova Escola aos salários dos professores em até seis anos deve ser votada ainda nesta terça-feira. Os professores reivindicam a manutenção do aumento de 12% na mudança de nível do plano de carreira dos professores. O estado quer reduzir para 7,5%.

A confusão começou quando os policiais tentaram tirar uma faixa que simulava o painel de votação da Alerj. O fotógrafo do EXTRA Marcelo Franco também foi atingido pelos estilhaços das bombas de gás lacrimogêneo lançadas pela PM. A Guarda Municipal deteve um professor por desacato à autoridade. O detido foi levado para a 5ª DP. O Batalhão de Choque começou a se retirar por volta das 17h, mas a Polícia Militar continua acompanhando de perto a manifestação."

O GLOBO

LEIA A ÍNTEGRA DESTA NOTÍCIA

Última atualização em Ter, 08 de Setembro de 2009 22:24