Educação: Legislação

Ensaiando passos de uma Utopia libertadora - por Alder Calado
Pensando a longo prazo
Sex, 23 de Janeiro de 2009 00:00, Escrito por Rodrigo Travitzki

Colo abaixo um texto que parece interessante para refletirmos sobre novas formas de planejamento educacional a longo prazo, assim como para o trabalho escolar "Utopia e cotidiano".


ENSAIANDO PASSOS DE UMA UTOPIA LIBERTADORA:
o cotidiano como oficina de tecelagem

por Alder Júlio Ferreira Calado

No ambiente da escola/universidade - O fato de predominarem largamente as incoerências e contradições no cotidiano escolar/universitário tende a agravar o desencanto e a fazer-nos esquecer cenas impregnadas de atitudes de uma densa carga utópica libertadora.

Leia mais...
O que mais dificulta o trabalho do professor? (segundo eles mesmos)
O educador
Seg, 15 de Dezembro de 2008 09:45, Escrito por Rodrigo Travitzki
Na reportagem Professores, o elo frágil da educação (Estudos Avançados, 21 (60), 2007), Flavio Dieguez cita uma pesquisa do Dieese que aponta o grau de importância das dificuldades no trabalho do professor (segundo os professores de um encontro sindical).
dificuldadesprofessores
Leia mais...
Educação em São Paulo: intervalo virou atividade extra-classe
Políticas públicas de educação
Sex, 10 de Outubro de 2008 07:50, Escrito por Rodrigo Travitzki
Saiu na folha e está no portal do Cristovam Buarque:

O governo José Serra (PSDB-SP) decidiu contabilizar como horário para preparação de aulas e correção de provas os intervalos de dez minutos entre as aulas na rede estadual.A medida foi tomada para ajustar a rede à lei federal sancionada em julho, que determinou que docentes do ensino básico devem ficar 33,3% da jornada em atividades extra-aula. Autor do projeto da lei federal, o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) afirmou que a nova interpretação do governo paulista "é uma farsa".

Leia mais...
Saúde do professor: a questão da perda de voz
O educador
Ter, 15 de Julho de 2008 11:08, Escrito por Rodrigo Travitzki

Segundo reportagem da Fapesp, os professores estão sem voz. E não é em termos metafóricos. É disfunção das cordas vocais mesmo. As causas parecem ser muitas: necessidade de gritar para garantir a famosa "disciplina", predominância da metodologia expositiva, condições de ensino, pouca procura por cuidados médicos, etc. A rouquidão dos professores não é apenas um problema de saúde, é um grave limite para o processo educativo.

Leia mais...


Página 3 de 3



Para que serve a educação?
 

Selecione uma palavra-chave