Greve de professores em São Paulo

Imprimir

Por que Serra trata os professores da rede pública de sp como se eles fossem alunos mimados? Por que a "grande revolução" nas políticas educacionais do estado, que o governo diz estar fazendo, é jogada de cima pra baixo na cabeça dos docentes? Quem são esses brilhantes deuses do monte Olimpo que se recusam a falar com os mortais?

A política educacional do Serra vem sendo alvo de críticas e elogios. Deixemos o "partidarismo" de lado. É fato que o governo está tentando fazer alguma coisa nova nas escolas do estado. Criou novas estratégias, materiais, regulamentações, etc. Tudo bem, há um esforço, e isto deve ser valorizado. Mas para onde este esforço está nos levando? Isto não se discute. Temos apenas que engolir as brilhantes idéias que de vez em quando descem do monte Olimpo.

A questão dos bônus, por exemplo. Ela seria uma forma de incentivar o bom professor, nos moldes da mais tradicional meritocracia. Muito bem, não é uma idéia ruim. Mas como ela está sendo implementada? No site do Paulo Henrique Amorin, temos uma entrevista com o presidente do sindicato dos professores, que diz:

"Segundo Ramiro, há três anos o Governo do Estado de São Paulo não respeita a data-base dos professores estaduais e não oferece reajuste. “Nesses três últimos anos o Governo desenvolveu uma política de gratificações e bônus e não de reajustes de salários. O que nós queremos, na verdade, é abrir o processo de negociação, que eles não fazem”, disse Ramiro."

Ou seja, o bônus não é algo a mais: ele está substituindo o aumento de salário. Ou seja, o bonus é apenas uma forma de controle, não um estímulo. Bem, agora o Serra está anunciando um aumento. Mas a face mais problemática do bônus é outra: não há qualquer sinal de transparência no processo de bonificação. Os professores não sabem porque alguns ganharam mais do que outros, e não há nenhuma forma oficial de encontrarem esta informação.

Me desculpe, Serra e seus amigos democratas, mas isto não é democracia. Por favor, saiam do monte Olimpo e venham conversar com os mortais. Podemos não ser tão graduados, experientes ou inteligentes, mas somos as pessoas por trás dos números estatísticos.

A questão da greve dos professores se insere neste contexto. O tal decreto 53037 é uma forma, dentre outras coisas, de manter os professores nas escolas. Acho isto fundamental. Uma escola só é escola quando seus professores criam elos e raízes profundas. Agora pense bem: o que segura o professor na escola? Se você não quiser pensar nesta pergunta, basta fazer um decreto. Se pensar um pouquinho, no entanto, verá que proibir a transferência nos 3 primeiros anos não garante nada. Em 3 anos o professor ainda está começando a aprender a difícil arte de seu ofício.

Volto à questão: o que segura os professores nas escolas? Decretos? Bônus? Bem, em primeiro lugar, deve-se ter um bom plano de carreira. Mas isto não basta para segurar os bons professores. Um bom professor não se contenta com dinheiro - ele é necessário, mas não suficiente. Um bom professor que dar uma boa aula, ter bons alunos, trabalhar numa boa escola, ajudar a construir uma boa nação. Um bom professor quer ser respeitado. Quer planejar seu próprio curso, produzir e selecionar materiais (pasmem, mas na escola pública um professor não pode nem tirar xeróx).

E tudo isso vai na direção contrária das políticas centralizadoras adotadas pela secretaria de educação do Serra. Elas tratam o professor como um aluno mimado, como alguém que precisa apenas de broncas, regras e agradinhos para trabalhar direito.

Veja só a nota da secretaria de estado sobre a greve (recebi por email)

"A Secretaria de Estado da Educação informa que mais de 98% dos professores e demais profissionais da rede estadual compareceram normalmente ao trabalho na manhã de hoje. Esta é uma demonstração inequívoca do compromisso da imensa maioria dos trabalhadores da Educação com a melhoria da qualidade de ensino no Estado. Lamentamos que alguns poucos professores resistam a uma mudança que visa apenas melhorar as condições de ensino, a relação entre mestres e alunos e a continuidade dos processos pedagógicos. E desta forma prejudique diretamente os estudantes."

Como professor, me sinto desrespeitado com esta nota. Primeiro, porque ela usa psicologia infantil da mais barata. Mas até aí, a política se baseia nisso. Então vamos mais a fundo. Qual era a reclamação da secretaria de educação mesmo? Por que ela resolveu tratar os professores como alunos mimados? Por que estão faltando muito é um dos motivos. Aí, no meio da greve, vem esse papo de 98%!

Sei não, me parece que o governo do estado manipula os números a seu favor. Antes da greve, o problema era o grande indice de faltas. Segundo a Veja, o índice é 13%. Pois bem. Agora, de repente, os professores começaram a dar aulas de novo! Magica! No meio da greve os professores estão faltando seis vezes menos. Ora, faça-me o favor. Um pouco de sinceridade não seria tão mal. E ainda vão dizer que esta (suposta) melhora é por conta das novas políticas.

A educação paulista precisa urgentemente de cuidados. As tentativas do governo Serra estão se mostrando pouco democráticas e, provavelmente, pouco eficientes. A folha e o estado estão dando total apoio ao Serra, desmoralizando os professores por diversas vezes (veja este comentário). Para contrabalancear, você pode buscar ver no site do Paulo Henrique Amorin:

PROFESSORES DE SP: GOVERNO SERRA NÃO QUER NEGOCIAR

Do que foge  o Serra?

Creio que enquanto o governo tratar os professores como se fossem crianças mimadas (na melhor das hipóteses), pouca coisa poderá melhorar na rede estadual de ensino. Talvez até melhorem os números, já que o monte Olimpo é tão bom em manipulá-los. Mas na sala de aula... sei não, tenho sérias dúvidas. E não quero pagar pra ver.

Última atualização em Sáb, 24 de Dezembro de 2011 13:27  


Para que serve a educação?
 

Selecione uma palavra-chave

Artigos mais lidos desta categoria

Veja a nova grade curricular de São Paulo (2012)

Políticas públicas de educação
A grade curricular do estado de São Paulo sofreu algumas alterações para o ano de 2012. A última mudança havia sido feita em 2008. Só pra ressaltar, esta grade é obrigatória apenas para as esc...(58897)

Lei do bônus para professores em São Paulo (texto completo da lei complementar 1078/08)

Políticas públicas de educação
Há poucos dias Serra sancionou a chamada "lei do bônus". Antes de qualquer análise ou comentário, vamos disponibilizar o texto todo da lei. Encontrá-lo na rede não é tão fácil quanto deveria s...(44037)

Grade curricular 2009: a secretaria de Educação de São Paulo publica resolução que fere autonomia das escolas e professores, diz APEOESP

Políticas públicas de educação
A análise da resolução está no site da apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo), e foi colada mais abaixo. Fiz um índice para agilizar a consulta. OBSERV...(39254)

Plano Nacional de Educação 2011-2020 (texto completo com índice de metas)

Políticas públicas de educação
O novo Plano Nacional de Educação foi apresentado hoje (15/12) pelo ministro da Educação Fernando Haddad ao presidente Lula. O projeto de lei descreve, dentre outras coisas, as 20 metas para a...(34708)

Projeto de lei limita número de alunos por sala de aula

Políticas públicas de educação
DEU NA AGÊNCIA BRASIL:CCJ da Câmara aprova projeto que limita número de alunos em sala Amanda Cieglinski "Brasília - Um projeto que limita o número de alunos por sala de aula nas escolas púb...(22721)