Novo ENEM terá sistema estatístico anti-chutes

Dom, 16 de Agosto de 2009 12:16 Rodrigo Travitzki Políticas públicas de educação
Imprimir

Para quem chutar as respostas, os acertos valerão menos. Isso é possível, segundo dizem, graças à Teoria de Resposta ao Item (TRI). Como sabemos, nem sempre a bela teoria tem uma prática à altura. Veremos se este ano a prova do ENEM será feita com mais cuidado do que no ano passado.

 

 

Seguem mais informações:

"CHUTAR" SERÁ VANTAJOSO?
O sistema de TRI entende que, estatisticamente, quem erra questões fáceis não acerta as difíceis e um eventual acerto pode ser classificado como "chute". Assim, na escala de proficiência do candidato (nota final), o chute não será tão vantajoso quanto seria se o sistema calculasse apenas a quantidade de acertos"

http://www.comvest.unicamp.br/clipping/ano2009/clipping0716.html

*

"O sistema de TRI (Teoria da Resposta ao Item) permite identificar, de acordo com o padrão de respostas de cada candidato, aqueles que tenham acertado determinada questão com base no "chute".

Com a TRI, o cálculo da nota não será baseado em quantidade de acertos, mas em grau de conhecimento - haverá um equilíbrio entre questões de nível fácil, médio e difícil.

Segundo Heliton Ribeiro Tavares, diretor de avaliação da Educação Básica do MEC, "o chute não vai facilitar tanto como antes". "Todo o sistema é baseado em técnicas estatísticas. Não é esperado que um candidato que erra questões fáceis acerte uma difícil."

De acordo com professores de cursinhos ouvidos pelo Agora, a adoção da TRI é positiva. "O sistema cria uma discriminação real, mais acentuada, de quem tem o melhor desempenho", afirma Tadeu Terra, professor do COC.

A TRI também vai permitir que as provas de anos diferentes sejam comparadas, justamente devido ao nível de complexidade. Essa diferença, segundo Tavares, é imprescindível a um exame que pretende atender a diversos objetivos - avaliação do ensino médio, vestibular e substituir o Encceja (Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos).

Segundo o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), órgão do MEC responsável pelo Enem, o sistema de TRI é usado desde 1995 pelo Saeb (Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica) e desde 2005 pela Prova Brasil, exame complementar ao Saeb.

A TRI é ainda utilizada pelo Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Alunos) e foi adotada pelo Insper (antigo Ibmec-SP) pela primeira vez na prova de 31 de maio último.

Para Alberto Francisco do Nascimento, coordenador do Anglo, existe uma "tendência mundial" para a utilização da TRI. "Acredito que [o método] vai acabar sendo adotado por outros vestibulares."

http://www.agora.uol.com.br/dicas/ult10107u588884.shtml

 

Última atualização em Qua, 24 de Março de 2010 11:57