Pedagogia Ômega 3

Imprimir

O artigo abaixo pode levar o leitor distraído à idéia de que os cientistas estão criando uma nova forma de deixar as pessoas mais inteligentes. Fármacos de ômega 3 serão (ou já são) anunciados como se inaugurassem uma pedagogia, uma condução da pessoa rumo ao saber. E vão custar caro, mesmo que venham da banana. Mas será que a coisa funciona assim mesmo? Quanto mais castanhas comemos mais inteligentes ficamos? Existe uma dieta ideal para virar gênio? Leia o artigo com calma e tire sua própria opinião.

A influência dos alimentos no cérebro é evidente, como em todo o corpo. Em termos sociais e políticos, creio, isso quer dizer que educação e desnutrição se trata junto. E para o professor, dependendo de onde trabalhe, este pode ser um fator importante para compreender os alunos e fazer escolhas a partir desta compreensão.

 

Veja o artigo (grifo nosso):

Alimentos para o cérebro

Rogério Tuma

Uma revisão de 160 artigos comprova que não só as experiências do dia-a-dia ajudam o cérebro a se desenvolver e se aperfeiçoar. Também o tipo de substrato orgânico da nossa dieta é crucial para a nossa inteligência aumentar.

A Nature Reviews Neuroscience de 9 de julho publicou uma revisão de estudos de Fernando Gómez-Pinilla, da Universidade da Califórnia (Ucla), em Los Angeles, sobre a influência dos alimentos que ingerimos e a sua interferência na formação de sinapses entre os neurônios. Também avalia se diferentes dietas produzem padrões diferentes na função cerebral e mental.

Muitas das substâncias produzidas no trato gastrointestinal, durante a digestão e absorção dos alimentos, penetram no sistema nervoso e interferem na sua atividade. Também muitas substâncias que modulam a interação dos neurônios - os neurotransmissores - atuam interferindo nos processos metabólicos em outras partes do organismo. "O conhecimento dessa interação pode criar uma nova dieta, que poderá promover um melhor desempenho de nosso cérebro ou de algumas funções específicas dele", escreve Pinilla.

De acordo com o autor, "a comida funciona como um químico que afeta o cérebro". Ele analisou 160 artigos publicados em revistas científicas que relacionam a função cerebral com alimentos, sono e exercício, para entender se uma dieta pode turbinar a nossa capacidade mental.

Descobriu que os ácidos graxos do tipo Ômega 3, encontrados no salmão, castanhas e kiwi, por exemplo, podem interferir positivamente na memória e auxiliam na melhora da depressão, esquizofrenia e demência. Eles auxiliam também na reparação de sinapses existentes e na formação de novas ligações entre os neurônios. As sinapses são ricas em ácido docosahexaenóico, um dos ácidos graxos tipo Ômega 3, que o organismo não consegue produzir em quantidade suficiente, devendo vir essencialmente na dieta. O autor selecionou um estudo australiano relativo a 396 crianças, cujo resultado mostrou uma melhor performance na escola entre as que recebiam diariamente um aporte extra de Ômega 3, ferro, zinco, ácido fólico e vitaminas. Essas crianças também foram melhor nos testes neuropsíquicos em inteligência verbal, memória e capacidade de aprender.

Um estudo de longa duração avaliou a saúde de indivíduos que vivem em uma vila isolada na Suíça, do seu nascimento à sua morte e toda a sua árvore genealógica, em um período superior a cem anos. Demonstrou que o tipo de alimento ingerido pode interferir até no funcionamento do cérebro de nossos descendentes, pois o número de indivíduos diabéticos e os casos de morte precoce aumentam nas gerações cujos avós paternos viveram em tempos de abundância.

Dietas ricas em gorduras trans, como frituras, salgadinhos e lanches com carne gorda e frita, atrapalham todas as funções intelectuais, portanto, deveriam ser evitadas principalmente entre os mais jovens.

Não sabemos se existe um efeito dos alimentos apenas como substrato na construção das sinapses, ou se há também uma ação de neuroproteção pelo efeito antioxidante de alguns deles. Provavelmente, os alimentos de maior destaque protegem o neurônio por um somatório de fatores. Faça uma lista. Nesse estudo surgiram alguns campeões: castanha, espinafre, kiwi, salmão e blueberry - mirtilo no Brasil - são alguns dos alimentos que devem fazer parte da dieta de um pretenso gênio.

Vários estudos comprovam a eficiência de suplementos vitamínicos como o acido fólico e a vitamina E, capazes de atrasar o processo de declínio da função intelectual decorrente da idade e trauma cerebral, assim como o tempero indiano curry e o mesmo Ômega 3. O curry é uma das explicações de a Índia ter um número proporcionalmente menor de doentes com demência do tipo Alzheimer.

Utilizar multivitamínicos pode não ter o mesmo resultado que a ingestão de alimentos ricos nesses elementos. A oferta in natura por uma dieta rica e variada é a melhor e a primeira escolha. Faça uma boa dieta, por você e até pela saúde dos seus netos.
11/07/2008

Mais informações:

O site da Nature diz (traduzido):

"Estimulantes como o metilfenidato (Ritalina) e modafinil (Provigil), conhecido em tratamentos para o TDAH (transtorno de déficit de atenção com hiperatividade) e narcolepsia, respectivamente, são cada vez mais utilizadas como "drogas inteligentes" pelos estudantes para melhorar as suas qualidades e mais amplamente como um impulso para a criação intelectual."

Se quiser mais informações, leia este artigo analisando o uso de drogas estimulantes por pessoas saudáveis, em especial no ambiente escolar e acadêmico:
Towards responsible use of cognitive-enhancing drugs by the healthy

Trecho do artigo (traduzidos):
"Hoje em dia, em centros universitários de todo o mundo, os alunos são surpreendidos por ofertas de compra e venda de medicamentos prescritos, como a Adderall e Ritalina - não para ficar "doidão", mas para obter graus superiores, a fim de proporcionar uma vantagem relativamente aos seus colegas estudantes ou aumentar de alguma forma mensurável a sua capacidade de aprendizagem. Estas operações são crimes nos Estados Unidos, puníveis com pena de prisão.

Muitas pessoas vêem tais sanções como adequadas, considerando a utilização deste tipo de droga trapaça, não natural ou perigosa. Um levantamento estimou que quase 7% dos alunos nas universidades nos E.U. usou estimulantes prescritos desta maneira, e que em alguns campi, até 25% dos alunos usaram no ano passado. Estes estudantes são adeptos de uma tendência que é provável que cresça, e os indícios sugerem que eles não estão sozinhos."
Última atualização em Ter, 01 de Setembro de 2009 21:11  


Qual é o melhor método de ensino?
 
Para que serve a educação?
 

Selecione uma palavra-chave

Artigos mais lidos desta categoria

Qual é o melhor método de ensino?

Métodos de ensino
A questão da metodologia na educação tem sido muito discutida. Devemos ter uma escola tradicional ou construtivista? Engraçado como gostamos de dividir o mundo em dois, quando na verdade há in...(47069)

Como falar bonito sem ter o que dizer? Embromation pedagógico

Métodos de ensino
Quem quiser realmente falar bonito sem ter o que dizer, terá que contar com um bom método. Afinal, quanto maior a eficiência do método, menor é a necessidade de um ser humano inteligente, pers...(41699)

Comenius - Didática Magna - livro completo

Métodos de ensino
Para quem quiser ter contato mais direto com as raízes da escola moderna, este livro é uma boa pedida. Diz o wikipedia sobre o autor: "Jan Amos Komenský (em latim, Comenius; em português, Com...(30359)

Como fazer uma boa apresentação oral?

Métodos de ensino
alt Oratória, arte dos contadores de estória, políticos, apresentadores, professores... Esta semana conheci o TED Talks, um belíssimo encontro de pessoas e idéias. São várias palestras, verdadei...(22534)

A evolução do ensino de matemática - piada tragicômica

Métodos de ensino
alt Recebi por email esta piada sobre o ensino de matemática nas últimas décadas. Achei interessante pelo lugar de destaque que é colocado a uma metodologia muito praticada hoje em dia. O conhec...(17297)