Pensando a longo prazo

Um outro mundo é possível? Os alunos buscam respostas

Há uma economia do conhecimento em formação?

Imprimir

Pergunta suscitada pelo artigo de Ladislau Dowbor, cujo início colamos abaixo.


Da propriedade Intelectual à Economia do Conhecimento1

Ladislau Dowbor
5 de outubro de 2009

"If nature has made any one thing less susceptible than all others of exclusive property, it is the action of the thinking power called an idea"2

Thomas Jefferson, 1813

 

"The goal of copyright is to encourage the production of, and public access to, cultural works. It has done its job in encouraging production. Now it operates as a fence to discourage access." 3

James Boyle, The Public Domain

Resumo: O eixo central de geração de valor desloca-se do conteúdo material para o conteúdo de conhecimento incorporado aos processos produtivos. Com isso criou-se uma batalha ideológica e econômica em torno do direito de acesso ao conhecimento. O acesso livre e praticamente gratuito ao conhecimento e à cultura que as novas tecnologias permitem é uma benção, e não uma ameaça. Constituem um vetor fundamental de redução dos desequilíbrios sociais e da generalização das tecnologias necessárias à proteção ambiental do planeta. Tentar travar o avanço deste processo, restringir o acesso a conhecimento e criminalizar os que dele fazem uso não faz o mínimo sentido. Faz sentido sim estudar novas regras do jogo capazes de assegurar um lugar ao sol aos diversos participantes do processo. Vale a pena atentarmos para o universo de mudanças que se descortina: são os trabalhos de Lawrence Lessig sobre o futuro das idéias, de James Boyle sobre a nova articulação dos direitos, de Joseph Stiglitz sobre a fragilidade do sistema de patentes, de André Gorz sobre a economia do imaterial, de Jeremy Rikin sobre a economia da cultura, de Eric Raymond sobre a cultura da conectividade, de Castells sobre a sociedade em rede, de Toffler sobre terceira onda, de Pierre Lévy sobre a inteligência coletiva, de Hazel Henderson sobre os processos colaborativos e tantos outros inovadores. Nestas propostas, veremos que as mudanças não estão esperando que se desenhem utopias, um outro mundo está se tornando viável.

1 O presente artigo se apoia no capítulo "Economia do Conhecimento", do nosso Democracia Econômica, Ed. Vozes, 2008

2 "Se a natureza fez alguma coisa menos suscetível do que qualquer outra de constituir propriedade exclusiva, é a ação do poder do pensamento que chamamos de idéia".

3 "O objetivo do copyright é de encorajar a produção e acesso a obras culturais. Desempenhou o seu papel encorajando a produção. Agora opera como uma cerca para impedir o acesso" - Boyle, p. 224


Baixe o artigo todo no link abaixo:

 

Última atualização em Qua, 28 de Outubro de 2009 22:29  

ecologia


Você costuma usar computador na escola?
 
Para que serve a educação?
 

Selecione uma palavra-chave

Artigos mais lidos desta categoria

Utopias: socialismo e educacionismo - Cristovam Buarque

Pensando a longo prazo
educacao-progresso Cristovam Buarque: “Como a bola é redonda para todos e os pobres formam a maior parte da população, são eles que chegam ao topo da carreira futebolística. Mas, para entrar em uma universidad...(7663)

Chegaremos ao "bom capitalismo" ou precisaremos inventar outra coisa?

Pensando a longo prazo
Uma pergunta ligada às idéias do filósofo Slavoj Žižek, que foi no Roda Viva esta semana. alt Selecionei abaixo 3 trechos de um artigo que ele escreveu na folha, que podem nos ajudar a pensar a...(5818)

Utopias: o ecossocialismo é viável?

Pensando a longo prazo
Conhecer e discutir as diferentes utopias é fundamental para escolas e professores que querem formar alunos sujeitos de sua história. O final do ensino médio é, acredito, um bom momento para i...(5784)

Ensaiando passos de uma Utopia libertadora - por Alder Calado

Pensando a longo prazo
Colo abaixo um texto que parece interessante para refletirmos sobre novas formas de planejamento educacional a longo prazo, assim como para o trabalho escolar "Utopia e cotidiano". ENSAIAND...(4803)