Um outro mundo é possível? Os alunos buscam respostas

µTorrent: o rizoma cultural da internet

"Queremos uma sociedade em que não é preciso obter capital para se obter cultura. O acesso a cultura deve ser...
Leia tudo

Ashoka: apoio a empreendedores sociais

1. Visão Geral A Ashoka é uma organização mundial sem fins lucrativos que realiza um trabalho de apoio a...
Leia tudo

Futebol Utópico

Imprimir

INFORMAÇÕES GERAS

O Bom Senso FC é um “movimento por um futebol melhor para todos” (lema do movimento).

Liderado por jogadores, o movimento luta por uma série melhorias no futebol brasileiro, tanto para os jogadores, quanto para torcedores e outras partes envolvidas com o futebol no Brasil. As cinco diretrizes principais do movimento são:

Logo do Bom Senso FC1- Calendário do futebol nacional
2- Férias dos atletas
3- Período adequado de pré-temporada
4- Fair Play Financeiro (por exemplo punir clubes que atrasem salários)
5- Participação nos conselhos técnicos das entidades que regem o futebol”

Mobilizando cada vez mais jogadores no Brasil inteiro, o movimento alcançou recentemente a marca de mil assinaturas, e busca cada vez mais parceiros para participar da luta. Seus principais líderes são: o jogador Paulo André (Corinthians), que foi idealizador do movimento; o jogador Alex (Coritiba), o principal porta-voz e um dos mais importantes pensadores no movimento; Rogério Ceni (São Paulo), outro importante porta-voz, foi um dos primeiros procurados pelo movimento para ajuda-los, dentre outros como Juninho Pernanbucano (Vasco), Dida (Grêmio) e o holandês Seedorf (Botafogo).

O movimento já conseguiu marcar reuniões com a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) para expor suas reivindicações e procurar negociá-las. Além disso, o movimento busca, através dos jogadores mais famosos, sempre manter contato com a mídia sobre o pé em que estão as negociações.

 

CONHECENDO A PROPOSTA

O movimento nasceu oficialmente no dia 30 de setembro de 2013, em uma reunião com 20 jogadores dos principais clubes do Brasil, na qual foi escrita o primeiro documento, que posteriormente foi enviado a CBF requisitando um encontro entre jogadores e entidade. Nesta reunião também foram definidas as cinco principais reivindicações (citadas anteriormente). Entretanto, mesmo antes do documento que oficializou o movimento, este já contava com o apoio de mais de 300 jogadores do Brasil, o que mostra como, mesmo antes de ser oficial, o movimento já existia.

Até o momento, a principal luta dos jogadores é em cima dos três primeiros itens. Isto porque o calendário do futebol brasileiro foi alterado para ano de 2014 (ano da Copa do Mundo no Brasil), modificação que diminuiu o período de férias e condensou os jogos, diminuindo o intervalo entre eles. Tal modificação foi feita pouco antes da carta/documento ser escrita.

Em alguns jogos do campeonato brasileiro deste ano (2013) os jogadores se abraçaram e se reuniram no centro do gramado, antes do jogo começar, em prol do movimento. Tendo em vista a falta de resposta da CBF, na 34a rodada do campeonato nacional, os jogadores, ao início da partida, protestaram: alguns cruzaram os braços por um minuto, sem tocar na bola, outros jogadores, de times adversários, trocaram passes estre si, também por cerca de um minuto. É importante perceber que o movimento sempre teve como característica se comunicar através dos jogadores mais assediados pela mídia e através do campo. A intervenção da 34a rodada, por exemplo, foi transmitida em rede nacional, para o Brasil inteiro, pela SporTV, Rede Bandeirantes e inclusive pela Rede Globo, uma das grandes aliadas da CBF, que não teve como esconder os protestos contra seus aliados, já que estes foram feitos na hora do jogo.

Hoje o movimento assumiu uma postura de aceitar o ano de 2014 da maneira que foi planejado, porém ameaçam inclusive uma greve caso suas reivindicações não sejam atendidas para o ano de 2015. Outro reflexo do movimento se vê nos campeonatos estaduais: a maioria das federações estaduais alterou datas de jogos e até a forma dos campeonatos após o início e crescimento do movimento.

Vale ressaltar que o movimento, que hoje já mobilizou todos os times da primeira divisão e a maioria dos times da segunda divisão, vem encontrando grandes dificuldades de negociar com a CBF, que muitas vezes não se reúne com os jogadores quando requisitado ou então nem sequer se pronuncia acerca do assunto. O movimento também tenta chamar jogadores brasileiros que atuam no exterior para aumentar sua força, mas até agora, poucos resultados foram obtidos com tais atletas. Ao mesmo tempo, canais da mídia como a ESPN, dentre outros, tem dedicado grande parte de sua programação para divulgar e discutir o movimento.

 

DISCUSSÃO

Até aqui parece difícil pensar em utopia. Entretanto, o futebol tem grandes funções sociais, e, se trabalhado da maneira correta, pode ser extremamente benéfico para ela. Hoje vivemos numa sociedade em que praticamente vivemos para consumir: quase toda forma de lazer, divertimento, entretenimento e, principalmente, qualquer forma de se desfrutar de cultura, hoje, custa dinheiro, e muito. O futebol se popularizou muito devido a facilidade deste ser praticado: é necessário apenas uma bola e quatro pedras (para servir de gol) para ser disputada uma partida de rua, por exemplo. Entretanto, hoje o ingresso para ir ao estádio custa cada vez mais caro, as bolas de futebol custam cada vez mais, as chuteiras tem preços exorbitantes. Hoje as pessoas tem cada vez menos tempo para se divertir, para “ser feliz”, todas presas no concreto capitalista que tomou as cidades. O futebol também está, assim como o divertimento, sumindo do povo: os campos de terra são substituídos por prédios de concreto. Ainda mais: com preços tão altos, não só jogar futebol está difícil, mas até ir ao estádio com seu amigo se torna algo caro. Existe algo mais gostoso que ir assistir uma vitória do seu time no estádio, com seus amigos e mais 30, 40, 80 mil torcedores? Existe algo mais divertido que jogar futebol com os amigos num fim de semana, junto com um almoço ou quem sabe um churrasco?

Hoje podemos considerar o futebol até como parte da cultura brasileira, o “país do futebol”. Mas este país tem que voltar a oferece-lo (o futebol) a todos. Em qualquer sociedade utópica que se imagine, temos formas de divertimento, temos áreas de lazer, áreas de convívio. Podemos entender o futebol como uma forma de lazer, divertimento e convívio? Sim. Ir a um jogo de futebol pode ser tão satisfatório quanto ir ao cinema ou ver uma ópera; jogar bola com amigos no parque pode ser tão prazeroso quanto uma boa conversa ou uma boa festa. 

Mas então a utopia deste trabalho seria apenas em direção ao gozo humano? Também (em última análise, o futebol é também benéfico à saúde). Como vimos, uma sociedade precisa se divertir. Um mundo utópico precisa pensar no Homem em sociedade, ou seja, dentre outras coisas, no prazer do Homem. Claro, nesse sentido o movimento Bom Senso está longe de alcançar tal utopia (lembrando, claro, que qualquer utopia é inalcançável). Entretanto, principalmente por ser um movimento extremamente jovem, este tem plenas condições de continuar a caminhar em direção a esta utopia. Vejamos os pontos: tanto um calendário melhor, quanto as férias e a pré-temporada, apesar de serem reivindicações diretamente voltadas para os jogadores, tendem a contribuir para a qualidade do jogo e, portanto, também beneficia quem assiste; o “fair-play financeiro” pode muito bem caminhar em direção a baixar o preço do futebol, por exemplo exigindo que quem lucra com o futebol (principalmente as confederações, televisões e empresas envolvidas com o esporte) paguem pelo futebol, fazendo assim o ingresso ao jogo ser gratuito; por fim, a participação dos jogadores pode ser estendida também para a participação dos torcedores, porque não? O Portsmouth (time da segunda divisão inglesa), por exemplo, viveu tempos de crise. Foi então que os torcedores do clube resolveram, juntos e com a ajuda de um investidor, comprar tanto o estádio quanto o próprio clube! Hoje o clube briga para voltar para a primeira divisão. Já o Paraná Clube, aqui do Brasil, estava sem conseguir encontrar patrocinador. Foi então que a torcida resolveu comprar o espaço destinado a patrocínio.

Como dissemos, o movimento ainda é novo. Mas porque não sonhar (já que falamos de utopia) em um futebol diferente, em que o torcedor não tenha que pagar, em que nós possamos desfrutar de uma tarde no estádio com os amigos, ou então de uma tarde jogando bola com os amigos?

É claro que muito precisa mudar no movimento para que ele de um grande passo em direção à utopia, mas este tem potencial para ser uma grande frente que leve à ela. Porque não, além dos jogadores, os torcedores se unirem? E porque se limitar ao futebol se o esporte em geral pode proporcionar diversão, prazer, convivência? O Bom Senso uniu os jogadores de uma maneira nunca antes vista no mundo. Se no Brasil já tivemos o exemplo da Democracia Corinthiana (que lutava ao lado, por exemplo, do movimento Diretas Já, e que quase conseguiu dar todo o controle do Corinthians aos jogadores), torçamos para que o Bom Senso não acabe tão rápido quanto a Democracia e que inclusive este vá além do que Sócrates (principal líder da Demoracia Corinthiana) conseguiu.

Maracanã Lotado

 

 


 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 Monografia feita na conclusão do 3o ano do Ensino Médio do Colégio Equipe de São Paulo, em 2013.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bom_Senso_F.C.


 

Este trabalho foi escrito por João Gabriel, aluno do 3o ano do Ensino Médio do Colégio Equipe de São Paulo, baseado na proposta do professor Rodrigo Travitzki “Utopia e Cotidiano – Um outro mundo é possível?”.

Última atualização em Dom, 09 de Março de 2014 19:21  

Cidadania


Para que serve a educação?
 

Selecione uma palavra-chave

Artigos mais lidos desta categoria

O Sistema de saúde Universal Gratuito - França, Reino Unido e Cuba

Utopia e cotidiano: buscando práticas idealistas
"A possibilidade de um mundo diferente está nas mãos do homem, portanto dele depende aceitar, corrigir, mudar e criar políticas que defendam uma sociedade menos decadente, e sim mais igualitár...(21081)

Como as interações ecológicas do homem são permeadas pela sua cultura?

Trabalhos Escolares
Com o aumento da população humana que vem ocorrendo pelo menos nos últimos 3 mil anos, o número de parasitas como carrapatos e bichos de pé, assim como o de muitos vírus e bactérias, sendo que...(20784)

As clínicas de aborto na Holanda

Utopia e cotidiano: buscando práticas idealistas
No século XX alguns países legalizaram o aborto, como a Holanda, a URSS e a Suécia. A Alemanha nazista também legalizou o aborto para as mulheres que eram consideradas "hereditariamente doente...(17266)

Melancia sem sementes: Para quê e para quem?

Trabalhos Escolares
Nessa lógica é que encontramos um paradoxo entre o que a ciência se proporia em sua essência, e a maneira pela qual a ciência e a tecnologia foiram apropriadas por aqueles que concentram em su...(14686)

A Biologia das Embalagens - análise da embalagem de Sucrilhos Kellogg’s

Trabalhos Escolares
Os valores nutricionais tornam-se um artifício cientifico para atrair mais consumidores ao produto em questão. As embalagens não comportam mais o objetivo inicial de comunicar informações nutr...(12123)