Um outro mundo é possível? Os alunos buscam respostas

Projeto Monte Azul

Imprimir

 

Alunas: Julia Gil,
Luiza Batalha,
Mariana Pougy

O projeto:

A escola Monte Azul é parte de um projeto realizado no bairro carente Horizonte Azul, atendendo também a favela Peinha. Com bases ideológicas fincadas na pedagogia Waldorf e na medicina Antroposófica o projeto tem como objetivo enxergar a necessidade e a carência das pessoas por um cuidado e atenção mais humanos. Nesse contexto a Antroposofia e pedagogia Waldorf dão as 'ferramentas' para iniciar tal ação.

As atividades da instituição se dividem em um projeto educacional, ambulatório – que orienta a comunidade focalizando nas necessidades da favela, principalmente as questões de gravidez precoce, orientação sexual, orientação de gestantes (no sentido de proporcionar informação e a prática de partos humanizados, por exemplo), etc. – sendo que o centro ambulatório se baseia na medicina Antroposófica que é uma extensão da medicina chamada tradicional. Além disso o projeto atua nas questões de saúde alimentar com hortas orgânicas e distribuem o alimento (de qualidade) para toda a comunidade.

A elaboração de projetos culturais da instituição Monte azul é um processo que passa pelos habitantes da comunidade. Projetos estes que não se esgotam nas áreas anteriormente mencionadas, que contribuem para a integração da comunidade e desse modo ocorre uma sensibilização geral, no sentido da valorização do ser humano.

Local, duração, pessoas responsáveis.

A Favela Monte Azul fica na região Jardim São Luiz próximo a Santo Amaro. É uma comunidade que tem aproximadamente 2.000 moradores, com a maioria nascida e criada no próprio bairro.

As atividades da instituição começaram nos anos 1975 como iniciativa da senhora Ute Craemer, mas a fundação do espaço da escola e do centro cultural iniciou-se apenas nos anos 1979, se estendendo até hoje e ficando gradativamente maior e completo para atender as necessidades da comunidade.

A professora Ute continua sendo a responsável pela prática, sendo apoiada e patrocinada por diversas instituições e ONGs.

Para entrar em contato com a instituição basta entrar no site http://www.monteazul.org.br/ ou no e-mail Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

A utopia

A Antroposofia e consequentemente a padagogia Waldorf tem como base a valorização do ser humano em si, considerando-o como um ser constituído não apenas de corpo físico, mas também como um ser espiritual, de convívio social e percepção daquilo que existe fora e dentro de si. Na nossa sociedade esses valores permeiam uma parcela superficial da população, sendo esta constituída por aqueles de maior poder aquisitivo, fazendo com que a legitimidade desses valores seja, para a maior parte das pessoas, muito distante da sua realidade, ou melhor, uma piada. Considerando que estamos tentando defender uma utopia seria necessário ignorar todos os aspectos que causam chateação na população, ou seja, que a sociedade não legitima esse tipo de concepção através de atos e iniciativas concretas, portanto, a teoria se esgota na mente.

Acreditamos que boa alimentação, saúde num sentido de tratar as necessidades do homem como um todo e não apenas como um corpo (que é o que a Medicina Antroposófica se propõe a fazer), e uma educação que tem como base a arte e o desenvolvimento de todas as partes constituintes do homem – e não apenas do intelecto – são coisas que toda a população deveria poder ter acesso. Dizer que todos devem agir dessa forma é um argumento insólito, no entanto, nosso ponto de vista é de que essa opção deveria ser acessível a todos, independentemente de credo, raça, condição social e sexo.

Acreditamos que a escola Monte Azul é um exemplo de que a pedagogia Waldorf (com todas suas ideologias) é possível num sistema educacional público. Sendo posta como contraponto ativo à idéia de que a Antroposofia é uma filosofia essencialmente elitista e impraticável. A Monte Azul consegue que a arte e a Antroposofia seja passada a uma comunidade de favela, anteriormente carente de qualquer subsidio que garantisse esses recursos. A Monte Azul se mantém não através de alguns indivíduos coordenadores, mas da comunidade que perpetua isso independentemente de imposições extra-comunidade. Ao longo dos anos o espaço físico e as pessoas dessa comunidade mudaram numa direção positiva, que reflete os valores por trás da Antroposofia.

Breve histórico

Ute Craemer era professora da escola antroposófica Rudolf Steiner, morando em próxima a favela Monte Azul recebia visitas de crianças carentes, ao longo do tempo com a freqüência das visitas e o volume de crianças Ute acolheu as crianças através de atividades recreativas em sua casa, envolvendo também as crianças e jovens da escola em que lecionava. O próximo passo de Ute foi construir um diálogo com as famílias e então das famílias entre si para diagnosticar e remediar os problemas da comunidade, que são justamente os que são foco da atividade que acontece lá hoje em dia. A visibilidade do projeto aumentou e com isso começaram a surgir patrocinadores, e se expandiu para mais duas comunidades: a favela Peinha e o bairro Horizonte Azul.

Fonte de recursos materiais e humanos

Os mantenedores da instituição incluem todos os setores da sociedade (1º, 2º e 3º setor). Ou seja, recebe apoio e patrocínio de órgãos governamentais (1º), empresas privadas (2º) de diversos locais do mundo, ONGs (3º), como Prefeitura de São Paulo, Associação Tobias, Galderma, Ação Criança, Freunde der Erziehungskunst Rudolf Steiner, Zukunftsstiftung, Etoile d´Azur, Colégio Visconde de Porto Seguro, Peter Koefmel. Além da sociedade civil que trabalha como voluntária doando seus conhecimentos para pessoas que precisam, e não teriam acesso. Os funcionários normalmente não pessoas da comunidade, que acabam por se qualificar profissionalmente através de suas oficinas profissionalizantes, como por exemplo: marcenaria, informática, seminário de professores (o curso que forma professores antroposóficos) e eventos ocasionais, onde são determinadas cotas para os funcionários locais.

Resultados obtidos até agora

Hoje a associação Monte Azul consegue dar apoio e atenção desde as crianças até os idosos que vivem na comunidade, e comunidades próximas através de uma infinidade de atividades já mencionadas. “Vejo que os objetivos iniciados pela Sra. Ute Craemer foi de enxergar a necessidade e a carência daquelas pessoas por um cuidado e atenção mais humanos. E a Antroposofia e pedagogia Waldorf lhe deram as 'ferramentas' para iniciar tal ação. Creio que têm conseguido cada vez mais atingir seus objetivos. Um fato que mostra isto é que as 'comunidades' ao redor da monte azul começaram gradativamente a terem beneficiados por este trabalho.” 1

Dificuldades encontradas até agora

De acordo com o entrevistado a Monte Azul lida com grandes dificuldades, sendo a principal encontrar pessoas que estejam dispostas e comprometidas em ampliar e manter o trabalho iniciado.

Análise e discussão dos aspectos “positivos” e “negativos” desta prática

O grupo não vê aspectos negativos no projeto de utopia escolhido. Uma vez que este projeto trouxe tantos benefícios para a comunidade que alcança, os resultados concretos de sua prática falam por si só.

A não crença nos ideais desta prática pode ser vista como um aspecto negativo. No entanto os resultados alcançados provam que seus métodos são legítimos, independentemente da adesão à crença da relação entre “espírito, alma e corpo”. Tais resultados nos parecem evidenciar que a qualidade de vida dos indivíduos, tanto quanto a eficácia do funcionamento da comunidade, tem progredido, ascendendo linearmente.

Conhecimentos escolares

Passando pelo menos três anos estudando em um colégio que visa quase que exclusivamente o desenvolvimento do intelecto, tivemos base para perceber que este tipo de ensino não é suficiente para atender as necessidades do ser humano. O próprio discurso sobre coletividade empregado na instituição Colégio Equipe, não se sustenta uma vez que dentro de sua pedagogia a plenitude do homem é enxergada apenas como intelecto.

 

Referências

Pelo site http://www.monteazul.org.br/

Entrevistas com Fábio Gil e Talita Moreno – voluntários do projeto.



 

1 Trecho retirado da entrevista com Fábio Gil Nucci, voluntário no projeto Monte Azul.

Última atualização em Seg, 08 de Novembro de 2010 19:58  


Para que serve a educação?
 

Selecione uma palavra-chave

Artigos mais lidos desta categoria

Como as interações ecológicas do homem são permeadas pela sua cultura?

Trabalhos Escolares
Com o aumento da população humana que vem ocorrendo pelo menos nos últimos 3 mil anos, o número de parasitas como carrapatos e bichos de pé, assim como o de muitos vírus e bactérias, sendo que...(22771)

O Sistema de saúde Universal Gratuito - França, Reino Unido e Cuba

Utopia e cotidiano: buscando práticas idealistas
"A possibilidade de um mundo diferente está nas mãos do homem, portanto dele depende aceitar, corrigir, mudar e criar políticas que defendam uma sociedade menos decadente, e sim mais igualitár...(22682)

As clínicas de aborto na Holanda

Utopia e cotidiano: buscando práticas idealistas
No século XX alguns países legalizaram o aborto, como a Holanda, a URSS e a Suécia. A Alemanha nazista também legalizou o aborto para as mulheres que eram consideradas "hereditariamente doente...(18477)

Melancia sem sementes: Para quê e para quem?

Trabalhos Escolares
Nessa lógica é que encontramos um paradoxo entre o que a ciência se proporia em sua essência, e a maneira pela qual a ciência e a tecnologia foiram apropriadas por aqueles que concentram em su...(16184)

A Biologia das Embalagens - análise da embalagem de Sucrilhos Kellogg’s

Trabalhos Escolares
Os valores nutricionais tornam-se um artifício cientifico para atrair mais consumidores ao produto em questão. As embalagens não comportam mais o objetivo inicial de comunicar informações nutr...(13055)