Um outro mundo é possível? Os alunos buscam respostas

Ashoka: apoio a empreendedores sociais

1. Visão Geral A Ashoka é uma organização mundial sem fins lucrativos que realiza um trabalho de apoio a...
Leia tudo

O Movimento Moinho Vivo

 1- INFORMAÇÕES GERAIS: Nome da atividade: Movimento Moinho Vivo Breve descrição do...
Leia tudo

Movimento Emaús: Solidariedade Para Viver Bem

Imprimir

 

Alunos:
Augusto Leão
Sarah Melo
Tárik Coraini

PARTE 1 - O PROJETO

Movimento Emaús

O Movimento Emaús é uma comunidade de pessoas livres no mundo inteiro que, inconformadas com a miséria, lutam contra suas causas, conseqüências e a marginalização das pessoas.

Os princípios fundamentais são:

- Servir primeiro aos que mais sofrem;

- Participar da construção de uma sociedade mais solidária, justa e sensível aos problemas dos mais fracos e marginalizados

- Construir através do trabalho uma sociedade que possa dar melhores condições de vida e a dignidade do homem.

O grupo atua em diversas partes do mundo. No Brasil tem atuação em 9 estados diferentes. Aqui nos voltaremos para o grupo situado em Ubatuba, SP, na Vila Abbe Pierre.

O Movimento Emaús forma em cada localidade uma vila onde as pessoas integrantes da comunidade moram, trabalham e cultivam. Em Ubatuba a Vila é formada de 22 famílias.

O responsável pelo Movimento Emaús de Ubatuba é o secretário geral da comunidade nessa localidade, Jorge da Cruz Oliveira (Seu Jorge).

 

PARTE 2 - CONHECENDO A PROPOSTA

Histórico

O projeto Emaús começa na França, em 1942, com o padre Abbe Pierre (que era também deputado). A França havia sido destruída pela 2ª Guerra e nas ruas se encontravam muitos mendigos, pessoas abandonadas e famílias desestruturadas. O padre começa a recolher pessoas carentes e levá-las para viver numa casa que ele mesmo sustentava. Quando o padre deixa de ser deputado, passa a pedir esmolas para sustentar a casa. A comunidade formada passa a trabalhar reformando coisas para vender para outras pessoas sem muitos recursos.

A Comunidade de Serviço Emaús Ubatuba surgiu em 1990. Foi fundada oficialmente em pelo padre João Benevides Rosário, de Cachoeira Paulista. O padre chamou Jorge da Cruz Oliveira, baiano de Ipiaú e ex-morador de rua, que já desenvolvia trabalhos sociais com jovens de rua. O Movimento Emaús, constituído de pessoas livres e inconformadas com a miséria, então restituir a dignidade das pessoas carentes de Ubatuba, através da educação e do trabalho. Com recursos obtidos da Comunidade Emaús da Europa e do Movimento Emaús Internacional, Jorge arregaçou as mangas e, em sistema de mutirão, construiu 20 casas, num terreno de 33 mil metros quadrados. Atualmente, o Emaús acolhe cerca de 24 famílias em 22. Além disso, oferece cursos que promovem a valorização humana e a conciliação do homem com o meio ambiente.

Objetivos do Movimento

O objetivo do Movimento Emaús é acolher e melhorar o indivíduo, tirá-lo da miséria. E a miséria seria a falta do trabalho. A partir dessa concepção o movimento reunirá pessoas carentes e necessitadas de auxílio para sobreviver, com o objetivo de fornecer estrutura em troca de uma contribuição à comunidade e, assim, o desenvolvimento de todos.

As pessoas podem recorrer ao Emaús ou o próprio Movimento pode chamá-las a participar, a partir do momento que se reconhece a situação de carência.

Mas o grande princípio do Movimento é que não se pode dizer "não". Na prática isso significa que o indivíduo que venha procurar auxílio seja aceito, firmando-se um contrato de direitos e deveres. Esse contrato poderá ser renovado anualmente ou não, dependendo da evolução que esse indivíduo sofre após entrar no Projeto.

O Emaús não doa nada, mas empresta recursos. Em regime de comodato (quando não se é dono da terra, mas lhe é concedido viver nela) as pessoas vivem e tentam melhorar suas vidas. Podem assim, então, ganhar uma casa, receber comida e obter ajuda material.

Como deveres essas pessoas tem de trabalhar para a comunidade, doando dois dias por mês como "pagamento". O trabalho é obrigatório a partir dos 18 anos. Nestes dois dias pode-se trabalhar na horta da comunidade, cuidando dos animais ou na marcenaria - produzindo produtos de consumo para a própria comunidade. O Emaús trabalha recuperando recursos, como móveis e roupas.

Também como deveres temos: comparecer às reuniões sempre que se é chamado, não danificar a moradia ou mudar a fachada e freqüentar a missa - mesmo os evangélicos. E é proibido o consumo de bebidas alcoólicas.

A avaliação da estrutura e dos objetivos da família são realizados há cada 5 meses. Só então no final do ano o contrato é renovado baseado nas avaliações. Até agora nenhuma família teve de sair do Movimento.

Fonte de Recursos

Há três principais fontes de recursos. Uma é a contribuição das famílias que se encontram mais estruturadas e há mais tempo na comunidade, pagando regularmente, como forma de retribuição. Uma outra é o comércio das roupas produzidas na comunidade e da comida lá cultivada, além dos produtos produzidos na marcenaria. A última é a contribuição externa de pessoas simpáticas ao projeto, ou mesmo do governo que doa cestas básicas.

Dificuldades

A principal dificuldade era a falta de comida, que foi resolvida com a assistência do Governo, que fornece cestas básicas. Além de outros tantos recursos que são obtidos através de doação.

Havia também a dificuldade para se tratar o esgoto, já que a Vila foi construída pelos próprios moradores em cima de um aterro sanitário. Seu Jorge inventou um mecanismo para tratar do esgoto, onde, um cano sai das casas e leva todos os dejetos para um tanque escavado contendo alfaces d'água. A água ainda passa por mais dois tanques antes de completar seu percurso. Os alfaces ajudam a purificar a água.

Resultados

Dezessete famílias já saíram da comunidade após melhorar a ponto de poder comprar suas próprias casas. Além disso, várias outras melhoraram sua qualidade de vida e superaram vícios, como o alcoolismo.

Planos Futuros

Segundo o Seu Jorge, deseja-se ampliar a vila, construir mais casas, uma padaria e possibilitar a inclusão digital na comunidade.

 

PARTE 2 - DISCUSSÃO

Nossa Utopia

A nossa utopia envolve um mundo onde as desigualdades sociais sejam ao menos extremas. Podemos aceitar que haja grandes diferenças econômicas entre os indivíduos, mas não a miséria humana, a vida com falta de recursos básicos de sobrevivência. Afinal os recursos naturais limitam muito menos a vida das pessoas necessitadas do que a organização e mobilização social e política.

Nesse ideal cremos na solidariedade entre as pessoas em busca de possibilitar para cada vez mais pessoas o acesso a cada vez mais recursos. Onde as pessoas tenham instituídos direitos iguais de crescer e se relacionar, apesar de suas origens e condições e que, na prática, isso se reflita em indivíduos ou grupos se ajudando pra crescer juntos. Que aqueles que tem mais recursos contribuam tanto ou

O Movimento Emaús no Sentido da Utopia

O Movimento Emaús se mostrou com o objetivo de usar a solidariedade como forma de mudança social desde o início da sua prática. Em nossa utopia isso se encaixa na prática de colaboração entre seres humanos em busca da melhoria de vidas do grupo.

O surpreendente do projeto da Vila Abbe Pierre é a autonomia que foram adquirindo, apesar de todas as dificuldades que passaram - e que ainda passam. Seu Jorge que também já havia sido uma pessoa com carência de auxílio ajudou a fundar a comunidade e desenvolvê-la, superando seus próprios obstáculos e, com sua experiência, podendo ajudar outros a também se superarem. O desenvolvimento de um pequeno material para comércio mostra essa eficiência. Igualmente, o planejamento e a construção de um sistema de tratamento de esgoto (pensado por Seu Jorge) mostra como ainda há muitas alternativas de organização e medidas de vida para ser pensadas - e que elas podem surgir de qualquer pessoa, em qualquer lugar.

Vemos como o Emaús possui uma organização estrutural baseada em contratos, relembrando que é possível estabelecer uma ordem funcional através do estabelecimento de direitos e deveres iguais a todos.

Em todos esses sentidos o Movimento Emaús parece ser um passo no sentido da nossa utopia, onde a superação em grupo funciona de fato e, melhor que isso, se desenvolve e amplia a longo prazo.

A única ressalva que pode ser feita talvez seja a de que poderia haver uma abertura, para que as decisões dentro da comunidade pudessem ir se coletivizando cada vez mais. Assim, as pessoas que já se desenvolveram dentro da comunidade ganhariam mais poder nas decisões do grupo e o monopólio do Secretário Geral seria um pouco menor. É claro, que em um primeiro momento o monopólio se mostrou efetivo e necessário, estabelecendo uma ordem inicial e o desenvolvimento na marra. A partir desse ponto é preciso pensar a longo prazo. Mas talvez essa proposta tenha de vir de fora, já que dentro da comunidade isso se encontra praticamente instituído.

Conhecimentos Aplicados e Aprendizado com a Experiência

Foi preciso cruzar conhecimentos adquiridos em várias matérias para se pensar com seriedade nesta Utopia "pé no chão". Primeiramente compreender a lógica do mundo em que vivemos: a sociedade de trabalho, o capitalismo industrial, a relações predatórias da sociedade contemporânea. Em seguida, poder se aprofundar por um lado no funcionamento dos mecanismos de poder e por outro no movimento que os indivíduos e grupos vêm fazendo dentro das diferentes sociedades.

Aprender sobre a visão holística e sistêmica foi igualmente importante, assim como o enfoque sobre o SUS, para identificarmos como o plano de visão diferenciada pode alterar profundamente a prática e produzir benefícios a mais longo prazo.

Pesquisar sobre um desenvolvimento sustentável, pensar em comunidades envolvidas pelas indústrias como em Ribeirão Preto e Cubatão foi importante pra poder pensar que sim, as transformações são possíveis, mas saber também nossas limitações e obstáculos na busca de uma sociedade melhor.

Certamente foi surpreendente encontrar uma experiência tão real de colaboração espontânea, de solidariedade entre pessoas resultando numa melhora efetiva. A experiência descrita ajuda a relembrar e nos tirar a alienação cotidiana que vivemos, lembrando de vidas tão diferentes das nossas. E, além disso, enxergar que é possível se superar mesmo nas condições mais difíceis.

Acreditar nessa nossa capacidade de superação e no potencial do outro também tem mostrado resultados generosos e, além disso, uma maneira de acreditar e possibilitar um futuro melhor.

 

REFERÊNCIAS

http://pt.wikipedia.org/wiki/Movimento_Ema%C3%BAs

http://comunidadeemausubatuba.blogspot.com/2009/08/historia-da-comunidade-emaus-ubatuba.html

Temático Sustentabilidade e Tecnologia

 

Última atualização em Sex, 05 de Março de 2010 17:10  


Para que serve a educação?
 

Selecione uma palavra-chave

Artigos mais lidos desta categoria

O Sistema de saúde Universal Gratuito - França, Reino Unido e Cuba

Utopia e cotidiano: buscando práticas idealistas
"A possibilidade de um mundo diferente está nas mãos do homem, portanto dele depende aceitar, corrigir, mudar e criar políticas que defendam uma sociedade menos decadente, e sim mais igualitár...(21849)

Como as interações ecológicas do homem são permeadas pela sua cultura?

Trabalhos Escolares
Com o aumento da população humana que vem ocorrendo pelo menos nos últimos 3 mil anos, o número de parasitas como carrapatos e bichos de pé, assim como o de muitos vírus e bactérias, sendo que...(21680)

As clínicas de aborto na Holanda

Utopia e cotidiano: buscando práticas idealistas
No século XX alguns países legalizaram o aborto, como a Holanda, a URSS e a Suécia. A Alemanha nazista também legalizou o aborto para as mulheres que eram consideradas "hereditariamente doente...(17782)

Melancia sem sementes: Para quê e para quem?

Trabalhos Escolares
Nessa lógica é que encontramos um paradoxo entre o que a ciência se proporia em sua essência, e a maneira pela qual a ciência e a tecnologia foiram apropriadas por aqueles que concentram em su...(15318)

A Biologia das Embalagens - análise da embalagem de Sucrilhos Kellogg’s

Trabalhos Escolares
Os valores nutricionais tornam-se um artifício cientifico para atrair mais consumidores ao produto em questão. As embalagens não comportam mais o objetivo inicial de comunicar informações nutr...(12550)