ecologia

Plantio de árvores em escolas no mundo todo: participe!
Educação ambiental
Seg, 02 de Abril de 2012 14:45, Escrito por Rodrigo Travitzki

Aí vai uma dica legal pras escolas que querem criar não só crianças melhores para o nosso mundo, mas também um mundo melhor pras nossas crianças.

São dois dias mundiais para estimular o plantio de árvores ao redor das escolas, promovidos pelo programa ENO (Environment Online). Veja abaixo um trecho retirado do blog.

Leia mais...
O que é impacto ambiental?
Material didático/ pedagógico
Dom, 20 de Setembro de 2009 23:40, Escrito por Rodrigo Travitzki

O que é impacto ambiental?

Algumas pessoas acham que o impacto ambiental refere-se só às coisas "naturais", mas não é bem assim. Segundo a legislação brasileira, impacto ambiental é:

“qualquer alteração das propriedades físicas, químicas e biológicas do meio ambiente, causada por qualquer forma de matéria ou energia resultante das atividades humanas que, direta ou indiretamente afetam:

  1. a saúde, a segurança e o bem-estar da população;
  2. as atividades sociais e econômicas;

  3. a biota;

  4. as condições estéticas e sanitárias do meio ambiente;

  5. a qualidade dos recursos ambientais.”

(Resolução 001/86 – CONAMA).

Três tipos de impacto ambiental

“De forma simplificada pode-se afirmar que em termos de avaliação do impacto ambiental das atividades humanas existem três grandes problemas no país, inseparáveis mas inconfundíveis, cada um com uma sistemática de análise científica distinta: as atividades energético-mineradoras, as atividades industriais-urbanas e as atividades agrossilvopastoris. Em geral, os critérios, instrumentos e métodos utilizados para avaliar o impacto ambiental são próprios a cada uma dessas três atividades e não universais.

O impacto ambiental das atividades energéticas e mineradoras é, em geral, intenso, pontual, limitado e preciso em termos de localização (uma hidrelétrica, uma mineração, por exemplo). Empreendimentos dessa natureza envolvem parcelas pequenas de população nos seus impactos diretos e são bastante dependentes de fatores relativamente controláveis. Existem metodologias bem estabelecidas para avaliar e monitorar o impacto ambiental desses empreendimentos, onde os aspectos de projeto, engenharia e planejamento são passíveis de um alto grau de previsão e controle.

O impacto ambiental das atividades industriais-urbanas é, em geral, de intensidade variada, podendo ir de pontual (no caso de uma fábrica poluidora, por exemplo) a difuso (no caso dos poluentes emitidos pela frota de veículos, por exemplo).Uma boa parte desses impactos dependem de obras de infra-estrutura e de saneamento, mais amplas do que a abrangência de cada empreendimento. Processos de planejamento e crescimento urbanos também cumprem um papel determinante em muitos casos. As atividades industriais-urbanas atingem, direta e indiretamente, grandes parcelas da população. Existe uma grande quantidade de normas, leis e regulamentos vigindo sobre esse tema, objeto de uma ação fiscalizadora relativamente intensa por parte da população e órgãos públicos.

Já os impactos ambientais das atividades agrícolas são em geral tênues, bastante dependentes de fatores pouco controláveis (chuvas, temperaturas, ventos etc.), atingem grandes áreas de forma pouco precisa, freqüentemente crônica, pouco evidente, intermitente e de difícil quantificação (perda de solos, produção de gases, erosão genética, contaminação de águas subterrâneas com fertilizantes ou pesticidas etc.). Em muitos casos os piores impactos ambientais da agricultura são invisíveis aos olhos da população, dos consumidores e dos próprios agricultores, ao contrário do que ocorre com uma fábrica ou uma mineradora.”

http://www.cana.cnpm.embrapa.br/impacana.html

 

Dá pra medir o impacto ambiental?

Não é possível medir o impacto ambiental como se mede o tamanho de um objeto. Não há ”régua” para isso.

O meio ambiente é complexo, o que significa dizer que é parcialmente previsível e parcialmente imprevisível.

Sendo assim, podemos estimar o impacto ambiental de certa atividade humana.

Isto é feito através do EIA/RIMA. O que é EIA/RIMA?

 

Veja múltiplos feedbacks relacionados ao aquecimento global e efeito estufa
Filmes e imagens
Seg, 13 de Julho de 2009 02:49, Escrito por Rodrigo Travitzki

Outra imagem para compreender o aquecimento global. A primeira trata da relação entre o álcool, a gasolina e o carbono atmosférico (veja aqui). Agora o objetivo é mostrar um pouco da complexidade do nosso planeta e da questão do aquecimento global. Para entender melhor a imagem, é prudente saber o que é um feedback (fiz outra figura para isto) e também ajuda saber um pouco de ecologia, geologia, física, química, etc...

 

Leia mais...
Um Desenho para entender a relação entre álcool, gasolina e efeito estufa
Filmes e imagens
Sex, 07 de Novembro de 2008 15:10, Escrito por Rodrigo Travitzki

Fiz este esquema para os alunos começarem a compreender o impacto ambiental da agroindústria sucroalcooleira, que é reduzido na medida em que a produção se torna um sistema fechado, devidamente integrado ao meio. Um dos impactos ambientais da cana é atualmente benéfico: a captura de carbono atmosférico. O famoso sequestro de carbono, um tema bastante controverso. Mas quem sequestra? Para onde leva? Por que isto é "bom para o efeito estufa"?

impacto-ambiental-cana-de-acucar

Para responder estas perguntas, primeiro precisamos saber o que é efeito estufa e sua (provável) relação com o aquecimento global. Depois, lembramos que praticamente todo o carbono presente no corpo das plantas veio da fotossíntese. E por último, botando a bola na área, lembramos que o "olhar ecológico" pressupôe um esforço em se enxergar o todo. Neste caso, podemos pensar nas relações entre o ar e o solo do planeta terra: a atmosfera e a litosfera.
Questões objetivas de ecologia
Material didático/ pedagógico
Qui, 11 de Setembro de 2008 00:03, Escrito por Rodrigo Travitzki

Coloco aqui alguns testes de múltipla escolha sobre ecologia. O objetivo de trabalharmos este tipo de questão, mais do que preparar para vestibular coisa e tal, é trabalharmos a objetividade. A precisão de linguagem, a busca por uma resposta, sem relavitismos ou problematizações (isso nós trabalhamos em outro tipo de questão, a dissertativa).

Leia mais...
Qual é o verdadeiro efeito do efeito estufa?
Polêmicas
Ter, 01 de Abril de 2008 14:01, Escrito por Rodrigo Travitzki
Como biólogo mas, antes, como ser humano, sempre me senti incomodado com o modo pelo qual o homem se relaciona com a natureza. Minha "consciência ecológica" começou, na infância, com normas cotidianas da "boa educação" - como jogar lixo no lixo - ou com idéias díficeis de se entender - como a bomba atômica. Hoje há muito mais elementos na mídia capazes de despertar a "consciência ecológica" das crianças e adultos do planeta.

Isto, na verdade, não é nada bom. Seria melhor que os ecólogos estivessem errados e que o mundo fosse uma grande fonte ilimitada de recursos para o ser humano construir suas engenhocas. Mas, pelo jeito, não é.

Quando vi o filme do Al Gore, "uma verdade inconveniente", achei aquilo bom. Não que tivesse algo de novo - é feito no formato básico Holywood-Discovery Channel. Aquele formato que, além de dar o confortável prazer estético do cinema americano, nos exibe informações precisas e "cientificamente comprovadas". (mais uma vez, Popper chacoalha no túmulo).

O bom do filme foi, na verdade, a reação que provocou nas pessoas. De um momento para o outro, eu passei de "idealista" e "eco-chato" a um respeitável "biólogo ambientalmente consciente". O aquecimento global virou a moda do momento. As pessoas finalmente perceberam que vivem juntas numa pequena bolinha que bóia isolada no meio do nada. Não há saída. Não adianta buscarmos outros mundos para perpetuar nossa sede de conquistas. Precisamos aprender a viver aqui e, de preferência, viver bem.

Como disse, havia tudo para que eu ficasse muuuito feliz com o filme do Al Gore.

Foi então que assisti outro filme, por sugestão de meu colega Mauro Pontes (professor de física do Equipe). Um filme feito pela BBC, no mesmo formato do filme do Al Gore, que coloca em dúvidas o grande consenso científico do momento. (veja o portal de mudanças climáticas da BBC).

Não vou dizer mais nada. Veja o filme e tire suas próprias conclusões.

A grande farsa do aquecimento global


(NOTA: depois de ler algumas críticas a esse filme só consegui chegar a uma certeza. A cultura científica baseada em filmes não tem muito mais de científico que o Jurassic park. Até porque um discurso de fato científico é muito chato, não tem vilão nem mocinho, e isso "Hollywod" não gosta.)

Se quiser leia uma detalhada crítica ao filme no artigo  "The Great Global Warming Swindle": a critique.

Há também em artigo dizendo que o relatório do IPCC, base do filme de Al Gore, não é uma previsão científica, mas sim a "opinião de cientistas transformada por matemáticos e obscurecida pela escrita complexa". Leia o artigo: Global Warming: Forecasts by Scientists versus Scientific Forecasts

E a polêmica continua...