bioética

Por que a biotecnologia pôs um "bio" na "ética"?
Propostas problematizadoras
Qui, 09 de Junho de 2011 00:55, Escrito por Rodrigo Travitzki

Proposta de trabalho em grupo

Objetivo

Levar os alunos a discutirem aspectos éticos relacionados às novas tecnologias que utilizam as ciências da vida como fonte de modelos e, portanto, manipulam os fenômenos vivos mais ou menos como a engenharia faz com o mundo mecânico.

Leia mais...
Quando a eutanásia é justa?
Polêmicas
Qua, 09 de Setembro de 2009 18:58, Escrito por Rodrigo Travitzki

Para o patologista Marcos de Almeida, é hipocrisia negar que a eutanásia seja praticada em UTIs brasileiras, onde é freqüentemente utilizado um coquetel de sedativos batizado de M1. "É feito de monte. O doente está em fase terminal, não se beneficia mais com a analgesia, o médico vai e aumenta a dose de sedação. Isso tem um efeito tóxico e vai levar o paciente à morte."

Ainda segundo Almeida, professor de bioética da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), a palavra eutanásia ficou estigmatizada, e as pessoas têm medo de usá-la. Ele acha necessário que uma legislação estabeleça critérios e condutas éticas para uma morte sem sofrimento. "A morte é um preço que merece ser pago para o alívio da dor", afirma.

 

Leia mais...
A bioética segundo Slavoj Zizek
Material didático/ pedagógico
Qua, 09 de Setembro de 2009 18:51, Escrito por Rodrigo Travitzki

O texto abaixo ajuda a problematizar a questão da bioética, tão falada mas tão pouco aprofundada. Na escola, problematizar não deve significar "tornar mais complicado", e sim "mostrar a profundidade e multiplicidade de certas questões". É um preparo para a cidadania, portanto, na medida em que o aluno vai se dando conta de que algumas perguntas não podem ser respondidas no livro didático ou na lousa. E creio que a bioética reúne muitas perguntas deste tipo.

 

Leia mais...
Neurocientistas fazem frango agir como codorna
Material didático/ pedagógico
Ter, 08 de Setembro de 2009 21:37, Escrito por Rodrigo Travitzki

Cientistas colocaram um pedaço de cérebro de codorna no cérebro de pintinhos, e eles passaram a reconhecer uma codorna como mãe. Isso tudo em embriões. Tal resultado científico põe mais lenha na fogueira da discussão entre traços inatos e adquiridos, entre genética e cultura, cérebro e mente, etc.

A matéria abaixo pode ser interessante para discutir com os alunos algumas questões relacionadas à biologia, como o funcionamento do cérebro, a formação do corpo (embriogênese), bioética e comportamento animal.

Leia mais...
Devemos tentar melhorar o corpo humano? Nietzsche, Eugenia e a polêmica Habermas-Sloterdijk
Polêmicas
Sáb, 05 de Setembro de 2009 19:23, Escrito por Rodrigo Travitzki

Esta é uma pergunta antiga, que remonta aos primórdios da filosofia. O ser humano é geralmente considerado uma grande potência pouco realizada. Hoje costuma-se repetir, em certos momentos profundos, a frase "usamos apenas 10% da nossa capacidade cerebral" - mesmo sem que os neurocientistas tenham chegado a um consenso de como o cérebro funciona.

A idéia de que o homem pode ser mais do que é sempre nos acompanhou. A radicalização desta idéia, na forma de preconceito e elitismo, também parece estar presente em todas eras. Mas ao final do século XX, esta questão antes meramente filosófica tem se tornado cada vez mais prática, principalmente devido ao avanço da biotecnologia e também das psicologias.

Leia mais...
O que fazer com a engenharia genética?
Propostas problematizadoras
Dom, 07 de Junho de 2009 23:52, Escrito por Rodrigo Travitzki

Proposta de trabalho em grupo para a terceira série do ensino médio. A idéia é discutir e entender melhor a engenharia genética, também conhecida como DNA recombinante, levando em conta o interesse público e questões éticas, técnicas, sociais, econômicas, etc.

Leia mais...
Bioética - estudos de caso
Como ensinar biologia?
Ter, 28 de Abril de 2009 14:46, Escrito por Rodrigo Travitzki

As questões éticas que vêm aparecendo com o avanço da biotecnologia são muitas. É a chamada bioética. Para entender melhor as nuances e conflitos desta "nova área", um bom caminho é estudar alguns casos concretos em que aparecem tais questões.

Por enquanto, disponibilizamos alguns destes casos, em inglês, nos links abaixo. Depois colocaremos alguns em português.

 

Leia mais...